O destino da viagem que nos levou até às Berlengas foi Peniche. Há muito que desejávamos conhecer esta região do Oeste de Portugal de todos os ângulos. E foi isso que fizemos durante 5 dias, corria um ameno mês de junho – leia o roteiro detalhado de Peniche aqui. Nos nossos planos, visitar a ilha da Berlenga era requisito obrigatório.

Berlengas, uma Reserva Natural com história

O Arquipélago das Berlengas é constituído por pequenas ilhas e recifes costeiros distribuídos em três grupos: ilha da Berlenga, Estelas e Farilhões-Forcadas, sendo visitável apenas a primeira.

Detalhe da ilha da Berlenga
Detalhe da ilha da Berlenga

Esta é uma área protegida, muito rica a nível da flora e da fauna – foi classificada como Reserva Natural, Rede Natura 2000 e Reserva da Biosfera da UNESCO. Para além de algumas espécies de aves marinhas nidificarem aqui e este ser um ponto de passagem para várias espécies migradoras, a Reserva tem um património marinho muito interessante, com muitas espécies de peixes.

Situada a 5,7 milhas do Cabo Carvoeiro, a ilha da Berlenga tem uma localização estratégica, já que está no enfiamento da rota marítima que liga o Sul ao Norte da Europa. Por isso, muitas embarcações passaram e pararam aqui ao longo dos séculos. Disso são testemunho os vestígios arqueológicos subaquáticos, com centenas de anos, que ali têm sido descobertos.

E por falar em água, não podemos deixar de referir a cor do mar nas Berlengas. É simplesmente maravilhosa, de um verde-azulado cristalino que se pode apreciar mesmo em dias cinzentos!

Praia do Carreiro do Mosteiro, na ilha da Berlenga
Vista para a praia, junto ao ancoradouro da ilha da Berlenga

Como visitar as Berlengas

De modo a preservar os ecossistemas da ilha da Berlenga, existe um limite diário de visitantes. Por isso, para garantir que a consegue visitar, convém reservar a viagem de barco antecipadamente, online.

Existem várias empresas que fazer a travessia entre Peniche e as Berlengas – consulte a lista atualizada de operadores aqui. Nós viajámos com a Feeling Berlenga e gostámos da experiência.

Os barcos com destino à Berlenga partem do Cais de Embarque, muito perto da Fortaleza de Peniche.

Cais de Embarque para a ilha da Berlenga, Peniche
Cais de Embarque para a ilha da Berlenga

A Feeling Berlenga deu-nos a opção de ir num barco rápido ou num calmo. Escolhemos o rápido, que nos disseram que é dos mais seguros. A viagem demorou cerca meia hora. Para lá fomos contra a ondulação, pelo que a viagem teve muitos saltos – parecia que estávamos a andar a cavalo!

Ao conversarmos com um membro da tripulação, ele disse-nos que apesar dos saltos, quase ninguém enjoa naquele barco. No entanto, se costuma enjoar, o melhor é comer apenas umas bolachas e tomar um comprimido para o enjoo antes de embarcar.

Barco rápido Odisseia em que fomos para a ilha da Berlenga
Barco rápido no ancoradouro da ilha da Berlenga

Devido aos saltos, era difícil manter a máquina estável para tirar fotografias durante a viagem. Por isso, se quiser fazer uma boa reportagem fotográfica, o ideal será escolher o barco mais calmo.

Atividades nas Berlengas

Para além da travessia de barco propriamente dita, é possível fazer uma série de atividades na ilha da Berlenga. Nós comprámos o bilhete que incluía uma visita guiada pelo Trilho da Berlenga (3 km) e uma visita às grutas marinhas.

Durante o passeio pedestre ficámos a conhecer o Bairro dos Pescadores, construído em 1941 no mesmo sítio onde existiu um mosteiro. Subimos até ao Farol do Duque de Bragança, que remonta a 1841. E por fim, descemos até ao Forte de S. João Baptista, construído sobre um ilhéu no século XVII, e que está ligado à ilha por uma ponte de pedra.

Forte de S. João Baptista, nas Berlengas
Forte de S. João Baptista

Durante a visita aprendemos também um pouco mais sobre o arquipélago e as suas características a nível de fauna, flora e formações geológicas. Já depois da visita às grutas fizemos o Trilho Ilha Velha (1,5 km) sozinhos.

Rocha com forma Cabeça de Elefante, nas Berlengas
Rocha com forma Cabeça de Elefante

É ainda possível fazer outras atividades, como mergulho, snorkeling e pesca desportiva. Basta consultar os operadores turísticos.

Quando visitar as Berlengas

É possível visitar a ilha da Berlenga entre março e outubro.

Atualmente, a travessia de ida e de volta é feita na mesma embarcação e é possível visitar a ilha durante meio dia, o que para nós chegou perfeitamente.

Forte de S. João Baptista - Berlengas
Forte de S. João Baptista

O que vestir e levar consigo

O ideal é escolher para esta viagem às Berlengas uma roupa e calçado confortável. Se o tempo estiver quente, vale a pena levar fato de banho e toalha, e experimentar as águas transparentes – e frescas! – da Praia do Carreiro do Mosteiro, junto ao ancoradouro. No Verão é importante levar também chapéu e protetor solar.

Praia do Carreiro do Mosteiro, na ilha da Berlenga
Praia do Carreiro do Mosteiro

Se estiver tempo de chuva, convém levar um impermeável ou até um guarda-chuva.

Como não é garantido que os poucos estabelecimentos comerciais que existem na ilha (um supermercado e um restaurante) estejam abertos, o melhor será levar consigo uma garrafa de água e um snack. Se estiver a considerar almoçar na ilha, o melhor será confirmar junto da empresa com que fará a viagem de barco se o restaurante estará aberto.

Cuidados a ter

De modo a ajudar a preservar a ilha da Berlenga, é importante respeitar as seguintes regras:

  • Circular apenas nos trilhos e respeitar a sinalização,
  • Ao circular pela ilha não atirar pedras para o mar,
  • Colocar o lixo nos locais apropriados ou levá-lo de volta consigo,
  • Não apanhar plantas nem amostras geológicas,
  • Manter-se à distância dos animais e não os alimentar.
Gaivota curiosa, nas Berlengas
Gaivota curiosa

Pode também ajudar a manter a ilha livre de predadores:

  • Verifique a sua bagagem antes de embarcar e verifique que não transporta insetos, mamíferos ou sementes,
  • Feche sempre os sacos e malas e tenha especial atenção ao material de campismo,
  • Não traga sementes, plantas ou animais para a ilha,
  • Se vir ratos ou coelhos na ilha, informe os vigilantes da natureza,
  • Não mexa, retire ou danifique as armadilhas colocadas na ilha.
Trilhos Reserva Natural das Berlengas
Cumpra as regras e proteja a natureza

Caso seja necessário, existe um Posto de Socorros no Bairro dos Pescadores.

Onde ficar alojado para visitar as Berlengas

Há poucas opções para dormir na ilha da Berlenga, sendo necessário reservar antecipadamente. São elas:

  • Hotel Pavilhão Mar e Sol – onde está também o único restaurante da ilha;
  • Forte de S. João Baptista – “pousada” com condições limitadas, para onde é preciso levar tudo, incluindo roupa de cama;
  • Parque de Campismo das Berlengas – é necessário reservar lugar junto do Posto de Turismo de Peniche.
Socalcos do Parque de Campismo das Berlengas
Socalcos do Parque de Campismo, em primeiro plano

Em Peniche existem muito mais opções de alojamentos, para todos os gostos e bolsos. Partilhamos algumas sugestões:

Boa viagem e não se esqueça de partilhar connosco, nos comentários, como correu a sua aventura na bela ilha da Berlenga.

Kit do Viajante

Selecionámos um conjunto de serviços que usamos no nosso dia a dia e que poderão ajudar a organizar a sua viagem. Ao adquirir serviços através das ligações abaixo, não terá qualquer custo adicional e estará a ajudar o Explorandar a crescer. O nosso muito obrigado!

  • Adquira os seus voos no SkyScanner. É um dos motores de pesquisa mais completos que conhecemos.
  • Encontre os melhores preços de alojamento no Booking.
  • O seguro de viagem é essencial para qualquer viajante. A Iati Seguros tem opções para vários tipos de viagem e ao reservar através deste link tem 5% de desconto.
  • Sempre que precisamos de alugar carro comparamos preços no Rentalcars.
  • Já poupámos umas centenas de euros em taxas de levantamento com o cartão Revolut.
  • A maior oferta de guias e livros de viagem em Português está na Wook. Para livros em inglês e sem portes recomendamos o Book Depository.

Esta página pode conter links de afiliados.