Viena, a cidade da música, dos palácios, de Mozart e da Imperatriz Sissi, tinha um lugar especial na minha imaginação.

Por isso as expectativas da nossa visita à capital austríaca eram grandes. Imaginava palácios grandiosos ao som da valsa. E o conforto de um chocolate quente nas mãos, perante a visão de mantos de neve a cobrir ruas largas e bem iluminadas.

Viena rua Natal

Viena foi a segunda cidade que visitámos durante a nossa viagem ao centro da Europa em Dezembro. Voámos de Amesterdão, o que ficou bem mais barato do que voar diretamente do Porto para Viena. Por outro lado, esta foi a cidade mais cara do nosso roteiro.

Durante os dois dias que lá passámos utilizámos muito transportes públicos. Logo no aeroporto apanhámos o comboio regional (cada bilhete custou 2,30€) que nos levou até ao centro. Saímos na estação de Wien Praterstern e fomos a pé até ao apartamento que nos aguardava bem quentinho, nas Steiner Residences Vienna.

Pesquise aqui alojamento em Viena

Alojamento Viena

Depois fomos à estação de Wien Praterstern onde comprámos, numa máquina, um passe de 2 dias para andar nos transportes. Ficou-nos por 11,80€. Existe também o Vienna Pass, que dá descontos em monumentos e atrações, mas considerando o que queríamos visitar para nós não compensava.

Aqui ficam as nossas dicas do que ver e fazer em Viena:

Wiener Riesenrad: a Roda Gigante de Prater

Logo na noite em que chegámos decidimos enfrentar o frio e fomos passear. Queríamos andar na Roda Gigante de Prater, uma das maiores e mais antigas rodas do mundo. Construída em 1897 e reconstruída após a sua destruição durante a II Guerra Mundial, encontra-se no meio de um grande parque que tem imensos carrosseis. O bilhete custou 10€. É uma experiência que vale a pena: do alto da roda tem-se uma vista panorâmica e de 360º da cidade.

Roda Gigante de Prater Wiener Riesenrad

Albertinaplatz

Na nossa primeira manhã em Viena participámos na já tradicional free tour pela cidade, que teve como ponto de encontro Albertinaplatz. Este é um ponto muito central da cidade, de onde se vê o edifício da Ópera, o Museu Albertina, memoriais que lembram os horrores da II Guerra Mundial, o Café Mozart e o Hotel Sacher onde se come o famoso Sachertorte (bolo de chocolate).

De Albertinaplatz também se vê o café onde nos recomendaram ir, por ser dos poucos tradicionais ainda existentes no centro e ter preços simpáticos: o Tirolerhof. Aqui aquecemo-nos com café e chocolate quente, comemos a nossa primeira fatia de Apfelstrudel e um bolo de chocolate parecido com a Sachertorte, chamado Sacherschnitte. Era bom, mas um pouco seco. Já o Apfelstrudel, um doce tradicional austríaco com massa folhada e maçã, estava uma delícia!

Palácio de Schönbrunn

Dos vários palácios que gostávamos de visitar (Schönbrunn, Hofburg e Belvedere), decidimos ir ao primeiro. Infelizmente em dois dias não tínhamos tempo para ir a todos. Como Schönbrunn ainda é afastado do centro da cidade, decidimos apanhar o metro para lá chegar, uma boa opção.

Viena Mercado de Natal Palácio de Schönbrunn

Mercado de Natal em frente ao Palácio de Schönbrunn

O Palácio de Schönbrunn, inaugurado em 1699, é um edifício enorme, majestoso. Pagámos 14,20€ para entrar, o que incluía a visita a 22 espaços do palácio. Existem outros preços e combinações, que permitem ver mais salas, bem como outros palácios, museus e até concertos em Schönbrunn. As salas e quartos que vimos eram maravilhosos. Focam bastante o período em que lá viveram o Imperador Franz Joseph I e a sua adorada Sissi, com muitas fotografias e pinturas da Imperatriz.

Outra figura muito importante, anterior a Franz Joseph I, que tem grande destaque é Maria Theresia, que governou grande parte da Europa Central no século XVIII. Aliás, é uma figura de que ouvimos falar muito, de forma muito elogiosa, também na Eslováquia e na Hungria, que visitámos depois de Viena. Maria Theresia reinou durante 40 anos, desenvolveu muito a Áustria e teve 16 filhos, entre eles a Rainha Maria Antonieta, de França.

Viena Palácio de Schönbrunn jardins

Traseiras do Palácio de Schönbrunn, onde estão os jardins

Palácio de Hofburg

Enquanto passeávamos pelo centro de Viena passámos várias vezes pelo lindíssimo Palácio de Hofburg, cujas estruturas iniciais remontam ao século XIII. É neste palácio que está o Museu da Sissi, Imperatriz que foi um ícone de beleza no século XIX. Embora não tenhamos visitado o Museu, na nossa free tour ficámos a saber que Sissi foi muito infeliz na Áustria. Passou pouco tempo em Viena, viajava muito e passava mais tempo na outra capital do Império Austro-Húngaro, onde se sentia melhor: Budapeste.

Viena Palácio de Hofburg

Palácio de Hofburg

Junto ao palácio está a rua das lojas mais caras da cidade, Kohlmarkt. Noutra rua próxima encontra-se a Catedral de St. Stephen, que tem um belíssimo telhado colorido e é o símbolo da cidade.

Viena Catedral de St. Stephen

Catedral de St. Stephen

É nesta rua que está também uma das pastelarias mais antigas da cidade, que fornecia a família Imperial e cujas montras são decoradas com açúcar: a Demel. Pode entrar-se para apreciar o lindo interior, observar os pasteleiros a trabalhar na cozinha e comprar algumas gulodices (caras e) elegantemente embrulhadas.

Viena Pastelaria Demel

Pastelaria Demel

Junto do Palácio de Hofburg está também a Escola Espanhola de Equitação, uma das mais antigas e tradicionais escolas de hipismo. Chegámos mesmo a ver cavalos a serem trazidos do picadeiro onde se fazem espetáculos. Disseram-nos que é possível adquirir bilhetes para os treinos, a preços bem mais acessíveis do que os bilhetes para os espetáculos.

Atrações do Ring

O Ring é uma rua larga à volta do centro da cidade, com cerca de 6,5 Km, que resulta da demolição da antiga muralha da cidade. Ao longo do Ring existem imensos espaços históricos: a Rathaus (tipo Câmara Municipal), o teatro Burgtheater, a Parlamento, o jardim Burggarten (onde está uma estátua de Mozart, a Casa das Borboletas e a Casa das Palmeiras) e o Stadtpark (o parque da cidade, onde está uma estátua de Strauss). E ainda a Ópera, museus de arte e história natural, a igreja Votivkirche, a antiga Bolsa, a Universidade, as Academias de Música e Arte e muito mais.

Só ao longo desta rua dá para conhecer muitos dos edifícios mais importantes de Viena. Nós percorremos uma parte a pé mas é possível também fazê-lo de transportes públicos. Existe mesmo um elétrico dedicado a esta rota, o Vienna Ring Tram, cujo bilhete custa 7€ (viagem única) ou 9€ (com possibilidade de entrar e sair ao longo de um dia).

Existe também um outro percurso, o Belt (em alemão Gürtel) que é paralelo ao Ring mais é mais exterior, maior. Não explorámos esta opção, mas tendo mais tempo pode valer a pena.

Concerto de música

Sendo Viena a cidade da música, queríamos ir assistir a uma ópera ou a um concerto. Os preços da ópera eram demasiado altos para o que queríamos gastar: os bilhetes normalmente custam mais de 100€. No entanto disseram-nos que se podem conseguir por menos de 10€ se nos dias de ópera se for uma das primeiras 20 pessoas de uma grande fila que se forma junto ao edifício e se se estiver disposto a assistir ao espetáculo de pé.

Acabámos por decidir assistir a um concerto. Como nos tinham aconselhado a evitar todos aqueles concertos que são vendidos pelas esquinas de Viena, pesquisámos quais é que ia haver durante a nossa estadia em duas das principais salas de concerto da cidade: a Musikverein e a Konzerthaus. Encontrámos vários concertos, com preços desde 5€ a centenas de euros, dependendo muito da sala e dos lugares escolhidos. Acabámos por comprar bilhetes de 5€ para um concerto de piano e canto na Musikverein, em que supostamente ficaríamos de pé ao fundo da sala. Como a sala estava meio vazia, os assistentes de sala acabaram por nos colocar na plateia, sentados e muito perto dos músicos. Foi simplesmente fantástico.

Apesar de os bilhetes para os eventos culturais serem caros em Viena, parecem existir sempre algumas opções mais baratas que permitem o acesso de quem não pode pagar os bilhetes caros. Apesar de a oferta de concertos por toda a cidade ser imensa, havendo pessoas a vender bilhetes em quase todas as ruas, a qualidade por vezes é duvidosa, pelo que na nossa opinião mais vale pagar um pouco mais ou apostar nos bilhetes de última hora ou para assistir em pé.

Mercadinhos de Natal

Foram imensos os mercadinhos de Natal que encontrámos pela cidade, em parques e em frente a muitos palácios e edifícios importantes. Os maiores onde estivemos estavam em frente ao Palácio de Schönbrunn e do Rathaus, sendo que neste último até uma grande pista de gelo havia.

Viena Mercado Natal Rathaus

Foram os mercadinhos mais bonitos de toda a nossa viagem. Tinham imensas bancas com comida típica, bebidas quentes, artesanato e decorações de Natal de perder a cabeça (e esvaziar a carteira…).

Num deles comemos mais uma fatia de Apfelstrudel e provámos, muito a medo, o tradicional Glüewein, vinho com chá bem doce e quente. É verdade que aquece…mas tem um sabor muito estranho. Nestes mercados têm uma excelente prática para reduzir o lixo: paga-se pela caneca de vinho 2€, que se recebe de volta ao devolvê-la em qualquer banquinha.

Mercado de Natal Apfelstrudel e Glüewein

Apfelstrudel e Glüewein

Outros sítios a incluir num roteiro por Viena:

Palácio de Belvedere – contruído no século XVIII, foi a soberana Maria Theresia que lhe deu o nome de Belvedere, que em italiano significa “Bela vista”. Desde a I Guerra Mundial que também é um museu, onde entre muitas outras obras se encontra o “Beijo” de Gustaf Klimt. O bilhete para o visitar custa 26,50€.

Bairro de Grinzing – zona da cidade onde viviam viticultores, conhecida pela qualidade do vinho que aí se produzia. Lemos que tem muitos restaurantes caseiros e videiras por todo o lado, um bom sítio para ir passear, comer e beber bem.

Café Central – localizado perto do Palácio de Hofburg, este lindíssimo café do século XIX foi frequentado por muitas personalidades, incluindo Freud, Hitler, Trotsky, muitos filósofos e escritores.

Viena Cafe Central Freud Hitler Trotsky filosofos

Café Central

Restaurante Griechenbeisl – o mais antigo restaurante da cidade. Tal como em muitos outros restaurantes típicos e até nalgumas barraquinhas na rua, aqui pode comer-se o tradicional Wiener Schnitzel, um bife panado bem grande. Muito bom!

Viena Wiener Schnitzel

Wiener Schnitzel

Há muito mais para experimentar em Viena. Esperamos voltar um dia!

Ao adquirir serviços através das ligações abaixo, não terá qualquer custo adicional e estará a ajudar o explorandar a crescer: Alojamento Booking | Alojamento Airbnb | Seguro de Viagem World Nomads. O nosso muito obrigado!