Bratislava, a capital da Eslováquia, foi a terceira cidade que visitámos durante a nossa viagem ao centro da Europa em Dezembro. Apanhámos um autocarro da Regiojet em Viena por apenas 5€, onde nos ofereceram uma reconfortante bebida quente, e em uma hora e meia estávamos em Bratislava.

A Eslováquia está localizada numa zona bem central da Europa, tendo fronteira com a Áustria, República Checa, Polónia, Ucrânia e Hungria. Chegou a fazer parte do Império Austro-húngaro, que se desintegrou após a I Guerra Mundial, altura em que passou a fazer parte da Checoslováquia. Desde 1948, após a II Guerra Mundial, este território esteve sob o controlo da União Soviética, tendo-se libertado em 1989. Disseram-nos que foi em Bratislava que uma parte importante da Revolução de Veludo teve início. Em 1993 a República Checa e a Eslováquia separaram-se de forma amigável. Desde 2004 que faz parte da União Europeia e tem como moeda o Euro.

A língua oficial do país é o eslovaco. Os locais não pareciam muito à vontade com o inglês, mas faziam um esforço para nos perceber. Ficámos alojados durante os dois dias que passámos em Bratislava num apartamento simpático, o Ahoj Old City, próximo do centro, o que nos permitiu andar sempre a pé.

Pesquise aqui alojamento em Bratislava

 

À semelhança de Viena e de Budapeste, Bratislava é banhada pelo rio Danúbio, um rio que me lembra sempre a famosa valsa “Danúbio Azul”, de Strauss. Como nos era uma cidade totalmente desconhecida decidimos fazer duas free tours, uma no centro histórico e outra que incluía a subida ao castelo.

Passámos nalguns sítios repetidos nas duas tours, mas as informações que os guias deram foram bastante complementares. Também foram importantes para termos algumas recomendações sobre onde comer boa comida tradicional e a bom preço. E a verdade é que a cidade nos surpreendeu muito pela positiva, não só pelo que vimos mas também pelo que comemos. De uma forma geral achámos os preços simpáticos.

Aqui ficam algumas dicas do que ver e fazer em Bratislava:

Igreja Azul 

A Igreja de Santa Isabel, mais conhecida como Igreja Azul (Kostol svätej Alžbety – Kék templom), surpreende não só pela cor como pela sua arquitetura de linhas suaves, em estilo Arte Nova. Construída entre 1909 e 1913, é da autoria do arquiteto Ödön Lechner, a quem deram a alcunha de “Gaudi Húngaro”.

Está localizada no centro histórico, tendo sido inicialmente usada como capela da escola que existe nas proximidades, também em Arte Nova. Vale a pena explorar as ruas do centro da cidade e descobrir outros belos  edifícios neste estilo.

Castelo de Bratislava

O Castelo de Bratislava (Bratislavský hrad) sofreu várias reconstruções e remodelações ao longo dos séculos. No reinado de Maria Teresa (que reinou durante 40 anos um enorme território no centro da Europa, incluindo o corresponde hoje à Eslováquia), o castelo foi adaptado para receber o seu cunhado Alberto, que ali reuniu uma grande coleção de arte. Esta coleção foi mais tarde levada para o Museu Albertina, em Viena.  No castelo está atualmente o Museu Nacional Eslovaco.  

Das muralhas exteriores tem-se uma vista fantástica sobre o rio e a cidade (mostramos numa foto mais à frente), sobretudo quando o céu está mais limpo.

Catedral de S. Martinho 

Esta Catedral (Katedrála svätého Martina) do século XV, a maior de Bratislava, localiza-se no centro histórico da cidade, no sopé do castelo, tendo chegado a fazer parte das muralhas da cidade. Era aqui que, entre 1563 e 1830, se fazia a coroação dos reis da Hungria. Maria Teresa foi coroada aqui.

A torre da Catedral, que se destaca na vista que se tem do castelo, tem uma reluzente coroa dourada no topo.

E relembrando também a ligação da cidade à monarquia, ainda se podem encontrar, desde o centro da cidade até à Catedral, pequenas placas no chão com a imagem de uma coroa, ao longo daquele que era o percurso para a Coroação.

Junto da Catedral encontra-se um monumento que relembra a sinagoga que existiu ali ao lado durante de séculos, e que foi demolida pelo governo comunista por volta de 1970 para construir a nova ponte, Nový Most.

Ponte Nový Most e deque de observação UFO 

Durante o domínio por parte da União Soviética, esta decidiu que ia manter na Checoslováquia a capital Praga com os seus lindos edifícios e que Bratislava seria a capital industrial. Por isso muitos edifícios antigos foram destruídos para construir bairros para os operários. Foi inclusivamente destruído o bairro judeu, que já estava em ruínas, para se construir uma nova ponte, a Nový Most.

A meio desta ponte foi construída uma estrutura muito alta, o UFO, onde existe um restaurante e donde dizem que se tem uma bela vista da cidade. (É verdade, parece um OVNI ali pousado.)

Esculturas curiosas

Numa das pontas da Hviezdoslavovo námestie, a praça onde começou uma das nossas free tours, está uma escultura muito interessante de Hans Christian Andersen. Este escritor dinamarquês escreveu muitos contos para crianças, estando algumas das suas personagens representadas em relevo à sua volta.

Numa zona pedonal do centro histórico está uma outra escultura curiosa e que é hoje um dos símbolos de Bratislava: representa um trabalhador, chamado Čumil, que se diz que tanto pode estar a descansar à saída do esgoto como pode estar a espreitar por baixo das saias das senhoras.

No passado, foram vários os condutores que passaram por cima da escultura, arrancando-lhe a cabeça, pelo que recentemente foram colocados sinais de alerta junto dela. Atualmente são muitos os turistas que se põem em cima do Čumil e lhe passam a mão da cabeça, talvez para dar sorte!

Comida eslovaca

Durante os nossos passeios pelo centro histórico passámos por imensos mercadinhos de Natal. Desta vez não bebemos o vinho quente que havia em todos eles, já tinha sido suficiente a experiência em Viena… Mas eu não resisti ao chocolate e, para ajudar a aguentar o muito frio que se fazia bebi um delicioso horuka čokolada (“chocolate quente” em eslovaco, muito útil saber!) e um loksa nutelova (crepe de batata típico, no meu caso recheado com Nutella, uma delícia).

Também tivemos uma ótima experiência no restaurante onde fomos jantar, o Slovak Pub. É um restaurante muito frequentado por jovens estudantes e com excelente comida tradicional eslovaca. Têm vários pratos com queijo amargo que são uma delícia. Embora com nomes difíceis de pronunciar, aqui ficam alguns dos pratos recomendados: halusky, bryndzové pirohy, kapustové strapačky, knedla, vyprážaný syr, bravcové koleno. Nós pedimos um “prato” para duas pessoas que incluía as três primeiras comidas. Eram ótimas, recomendamos sobretudo para quem adora queijo!

Também têm algumas sopas tradicionais, que não chegámos a provar: kapustica, cesnakova polievka, fazulova polievka. O que provámos também foi cerveja eslovaca.

Outros sítios a incluir num roteiro por Bratislava:

– Michalská brána – museu das muralhas da cidade com uma excelente vista (3€). É uma das principais entradas para o centro histórico. Por baixo do arco da torre, no chão, tem um círculo que indica a distância de Bratislava até algumas das cidades mais conhecidas do Mundo;

– Stará radnica – edifício que foi uma prisão, é agora um museu dedicado ao centro histórico. Tem uma torre de onde dizem ter-se uma bela vista para a cidade (2,5€);

– Slovak radio – edifício com a forma de uma pirâmide invertida, que tem a particularidade de ter sido incluído na lista dos 30 edifícios mais feios do Mundo.

– Slavin – memorial à II Guerra Mundial, um pouco afastado do centro (gratuito);

– Danubiana Meulensteen Art Museum – museu de arte moderna próximo de Bratislava (5€);

– Hrad Devin – castelo próximo de Bratislava (cerca de 5€).

De Bratislava partimos para a nossa última cidade desta viagem, Budapeste. Esperamos que também possam explorar esta zona da Europa, vale a pena!

Ao adquirir serviços através das ligações abaixo, não terá qualquer custo adicional e estará a ajudar o explorandar a crescer: Alojamento Booking | Alojamento Airbnb | Seguro de Viagem World Nomads. O nosso muito obrigado!