As Ilhas Cíes, na Galiza, estão longe da vida da cidade e por isso são um local perfeito para uns dias de relax. Há alguns dias escrevemos sobre este arquipélago e hoje abordamos tudo o que se pode fazer por lá.

Aparentemente pequenas, ao chegar de barco percebe-se que as ilhas são maiores do que parecem. Consideradas o “Caribe Espanhol” pelas suas belíssimas praias e límpidas águas azuis, nas Ilhas Cíes a areia é fina e branca, o sol quente e água do Atlântico refrescante. As nossas favoritas foram a Praia das Rodas, distinguida pelo jornal The Guardian como uma das mais bonitas da Europa, e a Praia das Figueiras, mas há outras mais pequenas que vale a pena explorar.

dsc06217-medium

Existem também vários trilhos naturais que se pode percorrer para conhecer de perto a fauna e a flora das ilhas. Há visitas guiadas gratuitas por alguns destes percursos, nos quais se pode saber mais detalhes sobre a história e as peculiaridades das ilhas. Os principais percursos pedestres são:

Rota do Monte Faro, que culmina no Farol, um miradouro que nos oferece uma das melhores vistas das ilhas;

Rota do Farol da Porta, um percurso mais próximo do mar e a partir do qual se pode observar a ilha de Sãn Martiño, a mais meridional do arquipélago;

Rota do Alto do Príncipe, durante a qual se passa por dunas protegidas, terminando-se na “Cadeira da Rainha”, esculpida na rocha pela natureza;

Rota do Monte Agudo, que leva ao Farol do Peito e que permite apreciar a ilha de Ons, que também faz parte do Parque Nacional das ilhas Atlânticas da Galiza.

Nós fizemos três trilhos, um deles com visita guiada. As visitas guiadas são anunciadas diariamente junto do ponto de informações da ilha, perto do embarcadouro, e requerem inscrição prévia. Por isso recomendamos que se consulte de manhã quais as visitas desse dia e se garanta lugar logo que possível.

As ilhas oferecem vistas fantásticas, e de muitos pontos consegue ver-se o pôr-do-sol. Um dos pontos onde se vê bem é da “ponte” que liga a ilha Norte à ilha central, perto do parque de campismo. Também se pode tentar ver através da Pedra da Campá, uma grande rocha perfurada pelo vento carregado de salitre. Perto desta rocha encontra-se um observatório de aves, de onde se conseguem ver gaivotas-de-pata-amarela e, por vezes, corvos-marinhos.

A nível da fauna, as gaivotas são as estrelas destas ilhas, habitantes permanentes muito respeitados: apesar das condições de vida difíceis, devido aos fortes ventos, nas ilhas há muita comida, sobretudo vinda do mar, o que convida as gaivotas a ficar. No Verão podem ver-se muitas crias: apesar de atingirem rapidamente o tamanho das gaivotas adultas, as crias têm as penas e o bico castanhos. No mar e no lago protegido que se encontra a caminho do parque de campismo podem ver-se muitos peixes, crustáceos e algas. Até um polvo vimos!

À noite os campistas podem relaxar e beber um copo no bar do parque de campismo. São também convidados a participar numa atividade noturna: o Starlight. Starlight é o estatuto que se dá a locais a partir dos quais se tem uma vista muito boa para o céu noturno, para ver as estrelas sem interferência da poluição luminosa das cidades. Infelizmente a atividade não se realizou nas noites que passámos lá, porque o fumo dos incêndios na Galiza tapava parte do céu estrelado.

Os amantes do mar podem fazer canoagem e snorkel, para ver mais de perto algumas maravilhas deste pedacinho do Atlântico. Não é preciso ter experiência, pode ter-se o batismo nas próprias ilhas Cíes.

DSC06257 (Medium).JPG

Também há várias atividades para os mais novos: teatros de marionetas junto à praia, jogos e dança no parque de campismo.

Enfim, estas ilhas são o ideal para usufruir do que de melhor a Natureza nos oferece. Basta apanhar o barco e aproveitar!

Ao adquirir serviços através das ligações abaixo, não terá qualquer custo adicional e estará a ajudar o explorandar a crescer: Alojamento Booking | Alojamento Airbnb | Seguro de Viagem World Nomads. O nosso muito obrigado!