Ponte ferroviária de Vouzela, Portugal

Vouzela, uma vila encantada no centro de Portugal

Como apaixonados que somos pela doçaria portuguesa, já há muito tempo que tínhamos um carinho especial por Vouzela mesmo sem ainda conhecer esta vila.

Tudo por causa dos deliciosos Pasteis de Vouzela, uns pasteis delicados com doce de ovos que por vezes comemos nas viagens que fazemos para os lados de Viseu ou da Serra da Estrela. Mas sobre estes pasteis falaremos noutro artigo.

O que é certo é que, nestas nossas viagens, víamos a placa da saída para Vouzela na A25 e tínhamos imensa vontade de ir visitar a terra que deu nome aos pasteis.

Por isso, decidimos fazer uma escapadinha de 3 dias para visitar Vouzela, onde encontrámos muito mais património do que alguma vez tínhamos imaginado. Venha descobri-lo connosco neste artigo!

Perspetiva da Rua de São Frei Gil - a rua mais bem preservada de Vouzela - a partir da ponte romana
Perspetiva da Rua de São Frei Gil – a rua mais bem preservada de Vouzela – a partir da ponte romana

Onde fica Vouzela

A vila de Vouzela fica no distrito de Viseu, na região de Lafões – que inclui também Oliveira de Frades e São Pedro do Sul –, no Centro de Portugal.

Fica a 30 km de Viseu, a 60 km de Aveiro, a pouco mais de uma hora do Porto e a cerca de três horas de Lisboa.

Quando visitar Vouzela

No Posto de Turismo de Vouzela – que está instalado numa casa muito bonita, ao lado do Mercado Municipal -, disseram-nos que a melhor altura do ano para visitar Vouzela e fazer os percursos pedestres que existem nesta região é de Abril a Junho e de Setembro a Novembro.

Se o objetivo for fazer caminhadas ao ar livre, o ideal é mesmo evitar os meses de Julho e Agosto, altura em que o calor aperta e há menos água nas praias fluviais e ao longo dos percursos, algo essencial para ajudar a refrescar.

Passadiços junto à barragem da Lapa de Meruje
Passadiços junto à barragem da Lapa de Meruje

Nós fomos a Vouzela em Agosto e de facto estava imenso calor. Ao início da tarde, durante o pico do calor, ficámos sempre dentro de portas a descansar.

O que visitar em Vouzela

Centro Histórico

O Centro Histórico de Vouzela é relativamente pequeno mas tem muitos pontos de interesse, entre igrejas, casas brasonadas, pontes e não só.

Depois de pedirmos algumas orientações no Posto de Turismo, fizemos um percurso circular que começou na Avenida João de Melo, onde está localizado o Turismo e a loja de um dos fabricantes de Pasteis de Vouzela, a Casa Castanheira.

Claro está que antes de começarmos o nosso passeio fomos comer um pastel, para estrear da melhor forma a nossa estadia em Vouzela.

Com a energia no máximo, caminhámos até à Praça da República, onde se encontra o Pelourinho e a Igreja da Misericórdia.

A Igreja da Misericórdia de Vouzela remonta ao século XVII e destaca-se bem pala sua linda fachada, revestida com os tradicionais azulejos azuis e brancos.

Fachada revestida a azulejos da Igreja da Misericórdia de Vouzela, Portugal
Fachada da Igreja da Misericórdia de Vouzela

Descendo a Rua Morais de Carvalho uma das principais artérias de Vouzela, antiga Rua Direita -, passámos pelos antigos Paços do Concelho, onde atualmente funciona a Biblioteca Municipal.

É um edifício curioso, com um arco a meio que dá passagem até a um largo, onde se encontra a antiga escola.

Edifício brasonado que atualmente alberga a Biblioteca Municipal de Vouzela
Edifício brasonado que atualmente alberga a Biblioteca Municipal de Vouzela

Sobre o arco descobrimos o primeiro de muitos brasões que viríamos a encontrar na vila, sendo este o de “Cavaleiro Fidalgo”. Isso explica bem o aspeto do edifício, originalmente um solar aristocrático, construído em 1639.

Descendo um pouco mais a rua, chegamos até uma pequena praça, ladeada por edifícios brancos que lhe dão um ar tranquilo. Aqui, destaca-se a escultura do “Conselheiro Moraes Carvalho”, um ilustre vouzelense, e um edifício muito bonito, com pedra trabalhada a emoldurar todas as portas e janelas – mais um solar com um brasão sobre a porta.

A rua mais bem preservada de Vouzela

Virámos então para a Rua de São Frei Gil, a rua mais “histórica” e bem preservada de Vouzela, onde se encontra a maior concentração de casas brasonadas da vila.

Logo no início da rua está o Museu Municipal de Vouzela, um pequeno museu etnográfico que merece uma visita.

Perspetiva de um tear numa sala etnográfica do Museu Municipal de Vouzela
Sala etnográfica do Museu Municipal de Vouzela

Do outro lado da rua encontra-se a elegante Capela de São Frei Gil, que na altura estava fechada, à semelhança dos outros templos religiosos por onde passámos.

Descemos toda a rua, apreciando as casas de pedra, as escadarias e varandas. E, claro, os brasões ainda preservados nalgumas fachadas.

Uma dessas casas é a Casa dos Távoras, sobre cuja porta se encontra uma pedra lisa em forma de brasão – provavelmente assinala o local onde existiu o escudo de armas desta família que, quem sabe, talvez tenha sido removido ou destruído após a execução de elementos da família Távora por ordem do Marquês de Pombal, no século XVIII.

Perspetiva da Casa dos Távoras em Vouzela, onde está assinalado o local onde estaria o brasão desta família
Perspetiva da Casa dos Távoras, que tem uma escada de acesso à entrada

Rapidamente chegámos a uma pequena ponte, originalmente romana mas já muito alterada, que atravessa o rio Zela.

Ponte romana, no centro histórico de Vouzela
Ponte romana, no centro histórico de Vouzela

Foi ao conhecer o nome do rio Zela que compreendemos o porquê do nome “Vouzela”: deve-se à localização desta vila, que fica entre os rios Vouga e Zela. Curioso, não é?

Atravessámos a ponte de pedra e percorremos a margem do rio Zela até chegar à Fonte da Nogueira. Esta é uma fonte diferente do habitual, com dois tanques de água fresca aos quais de acede por uns degraus de pedra. Foi mandada construir pelo príncipe D. Luís, filho de D. Manuel I, e por isso nela podemos ver mais um brasão, neste caso o escudo de armas Real.

Fonte da Nogueira, em Vouzela
Fonte da Nogueira, em Vouzela

Uma ponte cheia de história

Eis que, junto ao rio, avistámos, grandiosos e esguios, os arcos da antiga Ponte Ferroviária de Vouzela, um dos símbolos mais marcantes da vila.

Perspetiva da antiga Ponte Ferroviária de Vouzela, o ex libris da vila
Perspetiva da antiga Ponte Ferroviária de Vouzela, o ex libris da vila

Esta Ponte de Caminho de Ferro, que atravessa o rio Zela desde 1913, é agora pedonal e integra uma Ecopista que vai de São Pedro do Sul a Vouzela – e que há de continuar até Oliveira de Frades.

Mesmo à entrada da ponte encontra-se uma Locomotiva a vapor que remonta a 1911 e que faz as delícias dos apreciadores de comboios, como nós. Na altura foi comprada à empresa alemã Henschel & Sohn para as linhas de via estreita, como era o caso da Linha do Vouga.

Locomotiva a vapor centenária, junto à ponte ferroviária de Vouzela
Locomotiva a vapor centenária, junto à ponte ferroviária de Vouzela

Nesta zona há também um ponto de manutenção para bicicletas, revelando bem como Vouzela é amiga dos ciclistas, para quem a Ecopista também foi pensada.

Numa zona mais central da vila ainda subsiste a antiga estação de caminhos-de-ferro de Vouzela, num belo edifício onde atualmente funciona a Estação de Camionagem. Mais uma memória ligada aos comboios, que por aqui passaram pela última vez em 1972.

O nosso passeio circular pelo Centro Histórico de Vouzela terminou na Igreja Matriz de Vouzela, classificada como monumento nacional.

Vouzela - Igreja Matriz de Vouzela com a sua torre sineira característica.
Igreja Matriz de Vouzela, com a sua curiosa torre sineira

Este edifício, do século XIII, destaca-se pela curiosa torre sineira, que está separada da fachada. Ficámos a saber que esta rara forma de construção ajuda a proteger a entrada da igreja – e os seus utilizadores – do vento e da chuva.

Rota do Pastel de Vouzela

Existe a possibilidade de participar na Rota do Pastel de Vouzela, uma visita encenada que passa por vários pontos de referência no Centro Histórico da vila relacionados com a história do Pastel de Vouzela.

Para participar na Rota é necessário reservar com antecedência e o grupo tem de ter um mínimo de 4 pessoas. Poderá consultar mais informações aqui ou enviar email para [email protected].

O que visitar perto de Vouzela

Roteiro das Torres Medievais

Existem três torres medievais no município de Vouzela, e nós fomos conhecê-las todas.

O exterior das torres está sempre acessível. No entanto, se quiser visitar o interior de uma ou mais torres, o mais seguro é marcar com pelo menos dois dias de antecedência, contactando o Posto de Turismo ou o Museu Municipal de Vouzela.

Torre de Vilharigues

A torre que fica mais próxima da vila é a Torre de Vilharigues, que se encontra numa zona alta, de onde se tem uma vista fantástica sobre Vouzela. Acredita-se que tenha sido construída no final do século XIII ou início do século XIV, e que tenha tido bastante importância.

Das três, esta é torre mais arruinada, tendo parte da sua pedra sido reutilizada noutras construções. No seu interior foi construído um edifício moderno que alberga um núcleo museológico.

As ruínas da Torre de Vilharigues albergam atualmente um núcleo museológico
As ruínas da Torre de Vilharigues albergam atualmente um núcleo museológico

Torre de Cambra

Seguimos em direção à Torre de Cambra. Mas antes fizemos duas paragens.

A primeira foi no centro da freguesia de Cambra, onde visitámos a Igreja Paroquial de Cambra – que por sinal tem um teto lindíssimo.

A segunda paragem foi na Cova do Lobisomem. Diz a lenda que um grande monstro peludo se escondia naquele buraco, na margem do rio Alfusqueiro, e que de noite percorria sete freguesias…

Entrada da Cova do Lobisomem
Entrada para a Cova do Lobisomem

Retomando a estrada principal encontrámos finalmente a Torre Medieval de Cambra, situada junto a uma agradável zona de lazer ótima para relaxar, fazer um piquenique e até tomar um banho no rio.

Acredita-se que a Torre de Cambra tenha sido construída no século XIII ou início do século XIV, tendo sido habitada por nobres possivelmente até ao início do século XVII.

A Torre de Cambra está localizada junto a uma agradável zona fluvial
A Torre de Cambra está localizada junto a uma agradável zona fluvial

Torre de Alcofra

Mais afastada de Vouzela encontra-se a Torre de Alcofra – das três, a que se encontra melhor preservada. Terá sido construída no século XIV ou XV, supondo-se que tenha pertencido ao barão Moçâmedes.

Torre de Alcofra, a torre medieval mais bem preservada de Vouzela
Torre de Alcofra, a torre medieval mais bem preservada de Vouzela

Rota do Megalitismo

A Rota do Megalitismo de Vouzela é um circuito que passa por vários monumentos pré-históricos, incluindo alguns dos maiores dólmens da Beira Alta.

No Posto de Turismo disseram-nos que é mais fácil aceder a alguns monumentos do que a outros, por isso selecionámos estes para visitar:

  • Dólmen da Lapa de Meruje – encontra-se junto à Barragem da Lapa de Meruje, em plena Serra do Caramulo.
Dólmen da Lapa de Meruje, em Vouzela
Dólmen (ou Anta) da Lapa de Meruje

A zona da barragem da Lapa de Meruje junto à qual se encontra esta anta é muito bonita, perfeita para passear e, quem sabe, fazer um piquenique.

Perspetiva sobre a barragem da Lapa de Meruje
Perspetiva da barragem da Lapa de Meruje
  • Dólmen da Malhada do Cambarinho – encontra-se numa zona mais distante, na serra, mas onde também se acede bem de carro.
Dólmen (ou Anta) da Malhada do Cambarinho
Dólmen (ou Anta) da Malhada do Cambarinho

Para apreciadores de monumentos megalíticos, estes dois dólmens merecem uma visita, dada a sua imponência e ótimo estado de conservação.

Descarregue aqui o mapa completo da Rota do Megalitismo de Vouzela.

Praias fluviais

Embora não tenhamos tido oportunidade de usufruir de praias fluviais na zona de Vouzela, recomendaram-nos estas:

  • Praia Fluvial de Porto da Várzea, em Campia
  • Zona de lazer junto à Torre de Cambra
Área de lazer junto ao rio e à Torre de Cambra
Área de lazer junto ao rio e à Torre de Cambra

Percursos pedestres

A melhor altura do ano para fazer percursos pedestres à volta de Vouzela é, como já referimos, de Abril a Junho e de Setembro a Novembro.

Existem opções para todos os gostos. Aqui ficam alguns dos principais percursos:

Percurso do Cambarinho

Percurso circular, com 2,2 km (nível de dificuldade: fácil). Um percurso que percorre a Reserva Botânica de Cambarinho, onde se preserva o Loendro, um elemento muito característico da flora em Vouzela. A altura do ano em que esta planta está mais florida e bonita é em Maio e Junho.

Percurso da N.ª Sr.ª do Castelo (PR1)

Percurso circular, com 7,48 km e uma duração aproximada de 3h (nível de dificuldade: médio). Começa e termina no centro de Vouzela, passa pela ponte romana, percorre a antiga ponte ferroviária e segue o antigo percurso da Linha do Vouga. A parte mais difícil é a subida ao Monte da N.ª Sr.ª do Castelo, onde existe um miradouro.

Perspetiva do tabuleiro da antiga ponte ferroviária de Vouzela, atualmente pedonal e por onde passa o Percurso da Nª Srª do Castelo
Perspetiva da antiga ponte ferroviária de Vouzela, atualmente pedonal e por onde passa o Percurso da N.ª Sr.ª do Castelo

Trilho da Serra do Caramulo (PR3)

Percurso circular, com 6 km e uma duração aproximada de 2h (nível de dificuldade: médio). Começa junto à Igreja Paroquial de Alcofra e passa pela Torre Medieval de Alcofra, para além de outros vestígios de tempos medievais, ruelas, levadas e moinhos de água.

Caminho de São Miguel do Mato (PR5)

Percurso circular, com 4,7 km e uma duração aproximada de 2h (nível de dificuldade: médio). Começa e termina na freguesia de São Miguel do Mato e passa pela antiga linha do Vale do Vouga, incluindo um túnel desta linha desativada.

Trilho Medieval (PR6)

Percurso circular, com 8 km e uma duração aproximada de 2h30. Começa e termina no centro de Cambra e passa, entre outros sítios, pela Torre Medieval de Cambra e pela Cova do Lobisomem.

Percurso das Poldras (PR7)

Percurso circular, com 11,3 km e uma duração aproximada de 3h30 (nível de dificuldade: médio). Começa e termina em Fataunços e passa, entre outros sítios, por um troço de estrada romana, pela Ponte Pedrinha, pela antiga Linha do Vouga e pela Sepultura Antropomórfica do Areal.

Trilho da Água (PR8)

Percurso circular, com 9,8 km e uma duração aproximada de 3h (nível de dificuldade: difícil). Começa e termina em Queirã, passando por muitos pontos ligados à água, como fontes e ribeiras.

Percurso Quercus Robur (PR8)

Percurso circular, com 4,8 km e uma duração aproximada de 1h45 nível de (dificuldade: médio). Começa e termina em Vermilhas e passa por um monumental carvalho com 239 anos!

O que comer em Vouzela

  • Vitela de Lafões
  • Sopa Seca
  • Pastel de Vouzela
  • Folar de Vouzela
  • Cerveja artesanal (no Mikas Craft Beer)

Vitela de Lafões

A vitela usada para a Vitela à Lafões IGP (Indicação Geográfica Protegida) tem de ser certificada e de raça Arouquesa, Mirandesa ou um cruzamento das duas. É uma vitela que tem uma alimentação muito cuidada, muito à base de pastos verdes.

Para ficar perfeita, a Vitela à Lafões é feita com a parte da aba, fica a marinar durante 24 horas e cozinha durante quatro horas no forno.

Eis os restaurantes onde recomendamos provar uma verdadeira Vitela de Lafões:

  • Tasquinha de Lafões
  • Eira dos Sabores
  • Quinta da Cavada
  • Margarida

Sopa Seca

Existem apenas dois restaurantes que confecionam Sopa Seca, ambos localizados na freguesia de Alcofra, que é um pouco afastada da vila de Vouzela:

  • Casa Arede
  • Quinta D’Avó

Nota importante: convém reservar com antecedência mesa nos restaurantes pretendidos e garantir que haverá o prato que se deseja provar. É comum a vitela assada acabar e nem todos os dias há Sopa Seca.

Onde comer Pastel de Vouzela

Atualmente existem apenas três produtores de Pastel de Vouzela, e por isso também são poucos os sítios onde se encontra esta delicatesse. Sabemos que se pode encontrar nos seguintes locais:

  • Casa Castanheira
  • Café Central
  • Estação de Serviço de Vouzela, na A25

Onde comprar Folar de Vouzela

O Folar de Vouzela é um pão fofo e adocicado, coberto com uma fina camada de açúcar crocante. Experimentámos comer umas fatias sem nada, com manteiga e com queijo e gostámos bastante de qualquer uma das formas.

Pode comprar-se em vários sítios, mas aquele que nos recomendaram como sendo o melhor é a Padaria da Avenida, bem no centro da vila. Existe o Folar de Vouzela de tamanho normal, que ainda é grande, e nesta Padaria também vendem em miniatura.

Alojamento em Vouzela

Partilhamos algumas boas sugestões, para todos os gostos e bolsos, de onde ficar alojado em Vouzela:

  • Bikeinn – a agradável casa de hóspedes onde ficámos e que recomendamos
  • Casa D’Alice – uma linda casa de campo
  • Casa das Ameias – um encantador turismo rural localizado no centro de Vouzela
  • Casa Museu – uma casa de pedra que é uma verdadeira viagem ao passado

Esperamos que este artigo lhe sirva de inspiração para conhecer esta bela terra. Se já a conhece, partilhe connosco num comentário do que mais gosta em Vouzela!

Kit do Viajante

Selecionámos um conjunto de serviços que usamos e que poderão ajudar a organizar a sua viagem. Ao adquirir serviços através das ligações abaixo, não terá qualquer custo adicional e estará a ajudar o Explorandar a crescer. O nosso muito obrigado!

  • Encontre os melhores preços de alojamento no Booking.
  • A Iati Seguros tem opções de seguro para vários tipos de viagem e ao reservar através deste link tem 5% de desconto.
  • Para alugar carro, comparamos preços no Rentalcars e no Auto Europe.
  • Compre bilhetes para museus, monumentos, tours e transfers no GetYourGuide.
  • Para guias e livros de viagem em Inglês e sem portes recomendamos o Book Depository.

Esta página pode conter links de afiliados.

2 thoughts on “Vouzela, uma vila encantada no centro de Portugal”

  1. Joao Bencatel

    Excelente trabalho e muito completo para quem quer e gosta de conhecer o nosso interior.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.